O ano de 2009 em perspectiva: o melhor de...

os filmes do ano:

500 days of summer (c/joseph gordon-levitt e zooey deschanel)
year one (c/jack black e michael cera)
bruno (C/sascha baron cohen)
district 9 (produzido por peter jackson)
funny people (de judd apatow, c/adam sandler e seth rogen)
i love you man (c/paul rudd e jason segel)
observe and report (c/seth rogen e ray liotta)
paul blart: mall cop (c/kevin james)
taking woodstock (de ang lee c/demetri martin, eugene levy, emile hirsch, liev schreiber e mamie gummer)
up (pixar)
whatever works (de woody allen c/larry david)


os discos do ano:

it's not me, it's you (lilly allen)
invaders must die (the prodigy)
it's blitz (yeah yeah yeah's)
humbug (arctic monkeys)
them crooked vultures (therm crooked vultures)
la roux (la roux)


programas de tv do ano, nos canais nacionais:

30rock (primeira season, rtp2)
mad men (sextas à noite rtp2)
5 para a meia noite (rtp2)
dexter (season 3, mais uma vez rtp2)
the shield (última season, tvi)
Californication (segundas à noite, rtp2)
Weeds (segundas à noite, rtp2)
arrested development (quando calhava, tvi)
heroes (tvi)
bones (rtp2)
my name is earl (rtp2)
the big bang theory (rtp2)
NCIS (seasons antigas na tvi, novas na sic)
the simpsons (4ever!, rtp2)
chuck (rtp2)


os sítios do ano:

madrid (espanha)
armazém do chã (porto)
adega do povo (antas)
casa do alentejo (lisboa)
77 (porto)
o terraço (lisboa)
contagiarte (porto)
tokyo (lisboa)
praia do zavial (algarve)
alfama (lsboa)
rua do breyner e rua miguel bombarda (porto)


os sites do ano:

www.piratebay.org
www.facebook.com
www.zerozero.pt
www.imdb.com
www.btjunkie.org
www.bookmooch.com



etc...

o melhor de 2009 foram mesmo as pessoas que me fizeram sorrir. eu sei que isto parece muuuuiiiitooo lamechas, mas é verdade, e, felizmente, foram muitas as pessoas que me trataram bem e receberam troco na mesma moeda. obrigado! vocês sabem quem são!

quase nas livrarias!

a colectânea de contos "sonhando o que te contarei mais tarde" está brevemente nas livrarias leitura. também me podem pedir directamente (15 euros)! obrigado!

Curiosidades do dia

Um filme para ver: No sítio das coisas selvagens, com assinatura de Spike Jonze (não vi, mas tenho a certeza que não me vai desiludir)

Um frase do dia, ou isso: Não minto a ninguém, apenas à minha mulher, com assinatura de Jaime Pacheco (não discordo, eu faria o mesmo se fosse casado)

Situação estranha:

Eu (para um barbudo obeso que ouvia o relato na rádio): quem está a jogar?
O Barbudo Obeso (com uma voz rouca e lenta cmo um caracol): O Sporting contra a Alemanha...
Eu: E quanto está?
O Barbudo (aparentemente desiludido): a Alemanha ganha um zero...

Fiquei a fantasiar com o Sporting a jogar contra a selecção da Alemanha... Obviamente era apenas o Hertha, mas mesmo assim... A Alemanha!

sonhando o que te contarei mais tarde

estimativas apontam para dia 23! a data em que o livro estará pronto... já sabem em que gastar uma ínfima parte do subsídio de natal :)

sonhando o que te contarei mais tarde

segundo a prezada HM Editora, o livro está "brevemente disponível"~:

SONHANDO O QUE TE CONTAREI MAIS TARDE



(brevemente disponível)



Sonhando o que te Contarei mais Tarde de Hélio Teixeira, é uma deliciosa colectânea de 16 contos, que prometem surpreender o leitor, quer pela sua originalidade, quer mesmo por alguns dos seus finais desconcertantes. Os contos presentes são:

O Anjo Azul; Estocolmo; Ossos do Ofício; Na Cidade; E foi assim que me tornei um prostituto masculino; A Noiva Esquecida; Desmarx; No Sonho; O Telefonema; Da Primavera e do Outono; Sinestesia; A Soberba ; O Canto da Sereia; Tínhamos ambos 19 anos e sonhávamos o futuro como se faltassem eternidades; Pássaro Enjaulado.

(ver em: http://www.hmeditora.com/)

Ossos do Ofício - excerto



A rua estava apinhada, como de costume, e a tarefa de a atravessar parecia uma missão impossível. Senti os ossos ranger quando media a distância para a passadeira: 20 metros (no mínimo). Teria que atravessar fora dela, 2 faixas de rodagem, num só sentido. Esperei uns bons 9 minutos até detectar um espaço entre os carros que passavam e aqueles que pararam na passadeira. Felizmente um grupo de turistas japoneses decidira atravessar a rua em cadência lenta. Era a minha grande oportunidade. Quem me visse pensaria tratar-se de um paralítico. Se estendesse a mão e murmurasse umas palavras de súplica, era bem capaz de receber uma moeda de um transeunte mais distraído, que não reparasse no fato e gravata!

Ocorreu um erro neste dispositivo