ponto número um: estou triste. acabar de ler este livro é como dizer adeus para sempre a um grande amigo que nos acompanhou durante um longo período da vida. Sim, porque, como acontece com qualquer livro de Henry Miller, a leitura de Sexus torna-se propositadamente demorada. Duas páginas são o suficiente para nos encher um dia de reflexões. Comida para pensamento, como dizem. e nisso Miller é O Mestre, ultrapassando quaisquer rótulos pornográficos ou obscenos que lhe queiram impingir. Sexus é um livro sobre a vida e tudo o que faz parte dela, mas também é um livro sobre a história singular de um homem torturado pela contradição de querer tudo e de ambicionar nada.
Adeus, grande amigo...

ponto número dois: é apenas o primeiro volume da trilogia!

ponto número três (off topic)... é muito mais triste perder uma amiga :( 

Na Cidade (excerto, in Sonhando o que te contarei mais tarde)



― Não é motivo suficiente? Tem em conta a época em que isto se passou. Aliás, nem que fosse hoje, seria sempre uma desonra para qualquer família.
― Mas não achas que a devemos tratar como uma pessoa, que ela é, ainda por cima da família? Ninguém merece ser rejeitado pelo que é. Não fez mal a ninguém.
― Lá isso é verdade.
― Mesmo que as pessoas ficassem sentidas, ou mesmo perturbadas com o comportamento dela, não será altura de acontecer um qualquer processo de cura, ou perdão, cicatrização?
― Não sei, meu. Nem quero pensar nisso. Por que é que achas que eu saí daí? Babilónia, mano. Muita confusão. Muito problema. Sabes o que odiava na cidade? Não era o barulho, os carros a apitar, os autocarros que, ao passarem, abanavam o prédio, os bêbedos na rua aos gritos, que não deixavam ninguém dormir. Não era isso. O que eu odiava era o modo como as pessoas não se davam umas com as outras. As discussões. Os preconceitos. A falsa moral. Opressora e hipócrita. A cidade é isso, para mim, mano, e tão cedo não me apanhas a viver aí. Não sei como ainda consegues. Quanto ao resto, não me interessa se a Z. era santa ou puta, empregada doméstica ou drogada. Isso é a vida dela.







...............................................................................................

Fear and Loathing in Las Vegas by Hunter S. Thompson




Fear and Loathing in Las VegasFear and Loathing in Las Vegas by Hunter S. Thompson




reading the book after watching the movie may cause some troubles for some people, mainly because it cuts your imagination off. You've seen the actors portraying the characters and you get stuck on those mental images. On the other hand you seem to know how the story evolves and just lose interest.

Luckily, this hilarious book by Hunter S. Thompson worked for me even after watching the movie. I must admit the actors chosen for the movie and the images i remembered seem to be pretty faithfull to the book. it was like seeing the movie in my head again, but with more info and interesting thoughts about the political/cultural background or the drugs sub-world in America. The effects caused by the drugs at a given time are described in a vivid and relentless way, wich takes us to the movie, but add much more to it. But then again, it's been a while since I've seen the flick, so much of the story came by as a surprise. I think the movie is more of an images thing and only on the book you can perceive the story behind it all. The two artistic objects seem to complement eachother very well, but it is the book that gives you the access to that American Dream Hunter S. Thompson was so actively searching, and with a dose of humour that you didnt know wether it was deliberate in the movie or not. It was...





View all my reviews
Ocorreu um erro neste dispositivo