Paul Auster


de Paul Auster há uns quantos livros que já li e recomendo. Se o nome lhe é desconhecido, fique sabendo que o tipo é de Nova Iorque, e escreve abundantemente com a cidade como pano de fundo. Considero-o um narrador acima da média, cheio de imaginação e simbologias interessantes. Destaco, assim de repente: O Palácio da Lua, Música do Acaso, Book of Illusions, Brooklyn Follies, Trilogia de Nova Iorque, O Livro Vermelho, Viagens no Scriptorium, Mr. Vertigo e A Noite do Oráculo. Li estes e mais algum que me deve escapar agora. Precisava de um blog inteiro para dedicar à sua obra e às personagens inesquecíveis que persistem na nossa memória ao fim de tanto tempo. Por que é que me lembro de nomes como Sidney Orr, Lester C. Moore, Hector Mann, Marco Fogg ou David Zimmer? Porque deixaram qualquer coisa dentro de mim que dificilmente se extinguirá, um certo reconhecimento e identificação? Um espelho do mundo ou da humanidade?

De todos os livros, para iniciar, proponho Palácio Da Lua ou Música do Acaso, disponíveis certamente numa biblioteca perto de si, ou no Bookmooch, ou, se tiver que ser e a carteira assim o permitir, numa livraria. Os dois romances mostram-nos personagens que decidem, por motivos diversos e estranhos, disponibilizar o rumo de suas vidas ao maior e completo acaso, perdendo tudo o que é bem material, para encontrarem, inadvertidamente, algo de profundamente humano que é saber a verdadeira razão da existência. Talvez a tenham encontrado, talvez não, mas nós, os leitores, de certeza que encontramos motivos para sorrir finda a leitura dos ditosos livros.

Kafka à Beira Mar


Logo pelo título, Haruki Murakami nos remete para o seu mundo fantástico de intertextualidades e simbolismos. Os significados múltiplos que podemos retirar das intrincadas relações entre as personagens e as dimensões paralelas onde se movem, são imagem de marca deste autor japonês pouco ortodoxo que anda a deixar muita gente colada.


O protagonista Kafka, de 15 anos, rouba o seu nome ao autor de O Castelo, e tem um alter ego chamado Rapaz-Corvo, que o incita a fugir de casa e do seu pai. Curiosamente, kafka significa corvo. Kafka vai encontrar um estranho amor numa província distante, percorrendo um caminho repleto de personagens enigmáticas. Kafka parece viver entre a descoberta da sexualidade da adolescencia e o mundo do sonho e do amor platónico.


O outro protagonista chama-se Nakata, um velho, e também vai ser atraído à mesma província distante, encontrando pelo caminho personagens ainda mais fantásticas e icónicas da cultura de massas ocidental, absorvidas sofregamente pela juventude nipónica. Os principais atributos de Nakata são falar com gatos e fazer chover estranhos objectos do céu. O seu inexplicável instinto vai resolver as linhas soltas de um enredo surpreendentemente apaixonante.

bookmooch

para quem acha que a pirataria é uma coisa útil ao espírito, senão mesmo à carteira.

para quem gosta de ler e quer ter acesso a livros que de outra forma nunca encontraria.

para quem acha que 15 euros por um livro é um abuso.

para quem tem uma estante cheia de livros a apanhar pó que nunca mais vai ler na vida.

para quem se interessa.

para quem usa a internet de uma forma verdadeiramente pragmática e não apenas para conhecer gajas no hi5.

www.bookmooch.com é a solução, o melhor sítio de troca de livros na net

Perdidos na América


Perdidos na América (The Anomalies) - Joey Goebel

Leitura rápida, apaixonante, surpreendente.

O autor é vocalista de um par de bandas punk americanas, e não se dá mal a escrever, com uma estrutura narrativa fora do comum.

As personagens principais são cinco elementos de uma banda de new wave power pop heavy metal punk rock, cada um mais estranho que o outro: Uma velhinha promíscua de 80 anos, uma riot girrl de 8 anos, um iraquiano amaricanizado, um enorme negro eloquente e uma ex-stripper filha de um padre em cadeira de rodas.

O enredo passa pela vida numa cidade pequena no sulista Kentucky, pela tentativa de alcançar a fama e rockar, pelos estereotipos de uma América eternamente decadente (ou será resplandecente?).

Nos dias que correm, de zero a cinco, seis.

Livro

Um Blogue sobre livros. Coisas com folhas e letras, que servem para ler, para entreter, acima de tudo.

Não é um blogue sobre literatura, nem para literatos. Um Blog para ler sobre o que ler. Porque há coisas que se querem ler, porque valem a pena, porque não são um completo monte de merda.

Um blogue sobre livros de Auster ou Murakami. Um blog sobre mim. Sobre o que escreve e porque escrevo. E sobre aquilo que leio enquanto escrevo, ou seja, aquilo que plagio...
Ocorreu um erro neste dispositivo