When I get mad and i get Pissed, you make my ...Cheese List

they found a manuscript in Saragossa, written by a polish fighting under the Napoleonic Grand Armée. Its contents are unglued and unrelated, but, still, it originated a cult movie in the 60's. Jerry Garcia was said to have paid for a print of the polish movie. the historical significance of the manuscript is not the same as the one atributted to the "Nodicia de Kesos" manuscript (the first time a leonese romance language was transcripted, here as a relation of cheeses handed out by a zelous monk), but it is a utter proof of the presence of multinational armed forces during the Peninsular Wars.

opposite to the french and the cited polish, the brits were on the other side of the barricades, teaching along the portuguese as they fought back the invasors and coped with some ungrateful spaniards. a notable british general, Wellesley, the first duke of Wellington, received higher portuguese military condecorations. In 1977, for reasons alltogetherly different, General Josip "Tito" Broz, was the recipient of portuguese distintions of the same kind, mainly for his role in the Non-Aligned Countries movement. Tito was the only Communist Leader tolerated by South American fascist dictators and North-American Presidents, gaining such a substancial prviledge after cutting relations with Stalin.

today was played the final game of the MLS cup. Dallas ended up being defeated by a fighting Colorado side, in a surprise comeback from a 0-1 fist half to a 2-1 extra-time score, with an own goal just ten minutes from the end. Colorado Rapids would end up reduced to ten men due to injury in those final dramatic minutes, but Dallas FC was unable to score the equalizer. It was not a match that caught the eye: the mvp of the final was some giant raging bull striker from the rockies team, who is a technical nulity, but surpasses every other player in the field in matter of tackling, hackling and head-butting. he's an all-american footballer!

Why don't we see technical teams winning soccer competitions in america? the likes of former stars like the talented Dave Mullholland, the first and only american to play in the defunct soviet championship, in 1990, representing Lokomotiv Moscow, always had to fled the country to play the beautiful game, leaving ever since the home leagues to the rude and the beasts. where are Donovan, Altidore and such other US Soccer starlets?

It is no coincidence that American Football is a much more virile game than Association Football. In the primitive american society, a great deal of gratuitous violence wes often overlooked as a sign of competition and personal affirmation. many died, litterally, in the fields of the first grid iron football games. the incipient nation was ruled by the law of the stronger, the free market and all those symptoms of atavic intelectual minds still around today. When Europe's old matured sports codes were pushing down violence to the street sub-worlds, and turning a priori violent games like rugby football into gentleman's sports, their cousins from the other side of the atlantic were cementing their nationalism on aggresive myths around baseball and american football creation, thus invoking the rights to create their own laws. Spite for the colonisers was still present.

It was not until the World Wars that the situation reversed. USA were now the saviors of their former governors, and this was translated in a superiority in almost every field (still, not on the soccer pitch!) In areas like literature and music, although, it was visible that, albeit americans were as able as europeans, they were severely limited by puritan costumes that derived into absurd decency laws. Often, these will concurr to the expatriation of artist geniuses to cities like Paris, where they would find the liberty to pursue their creative visions. This was the case of Henry Miller. Among others, Miller glorified the city of lighs and it's whores alike . There is a movie about him, Henry and June, based on the Anais Nin romance of the same name.

Other movie based on works of Nin is the soft-core erotica playboy-style flick Delta of Venus, where a dreamy Audie England stars a Zalman King lousy production. Audie England is probably one of the most beautiful women to be caught on film, ever, but, even though her acting abilities were not those of a Julia Roberts, she was only casted in softcore movies of the same kind. And of the same director. Some of them went straight to TV, namely the Red Shoes Diaries series, where future tv stars like David "X-Files" Duchovny or Matt LeBlanc of the Friends fame portrayed the hunky stud that the girl cant resist to. Even if a bad movie, Delta of Venus was the high point of England's acting career, which, in all cases, wouldnt last more than 5 years from that point on. In one of her last movies, she made an appearance as princess Kitana. If you are a Mortal Kombat fan, you know what I am talking about. Just to see how low a beautiful woman can get after betting her career on a type of movies that are story-void, and, sexually-wise, are either not here neither there.

In the Henry and June film adaptation, the part of Anais Nin is played by portuguese petite Maria de Medeiros. it's one of her two great mov(i)es in showbizz, alongside Pulp Fiction. June Miller was the second wife of Henry Miller, and a very important character in the Rose Crucifixion trilogy (Sexus, Nexus and Plexus). She appears right on the first book, Sexus, under the alias on Mona, a new Miller lover in his New York, prior to Paris, days.

Although it went on prohibited by both French and American stances for quite some time, under the accusation of pornography, the book is widely considered on of the best ever written, making some of the most important lists of great books of the XX century, and an inspiration for several generations of writers, from the Kerouacs and Burroughs of the Beatnik period, to the likes of Science Fiction guru William Gibson.

Names like Miller, Gibson, Don DeLillo, Hunter S. Thompson, Thomas Pynchon, William S. Burroughs and Joseph Heller, among others, have portraied america's culture, institutions and idiosincracies in such diverse and original ways, that it is impossible to simply overthrow literature as the main cultural artifact of modern times. It is a fact that internet is growing in many menacing ways to traditional print, but will books ever dissapear completely? sites like google or youtube arent eve 10 years old, and Facebbok in not even 5 (!), and yet, they represent such a massive amout of our spent time, that one must wonder where does the modern online-sucked homo sapiens sapiens find the time to read a 300 page book every week.

There is the half empty glass way of looking at things, and there is the half full way. this one tells us to look what sites like youtube have made for lesser known artists, or movies, promoting them in a fashion they never would have thought possible 20 years ago, i.e., without a major company backing up with the ads and marketing money. Can writers benefit of the same hype? Music may have lost sales revenues, but still has important fees coming in from concerts, and while Movies are all around the free torrents sites, 3d theaters thrive and studios keep making multimillion-epics in the sure awareness that people want to see the show on the right canvas. What is there left for writers besides the poorly paid book commissions, in some cases ranging from 5 to 10 percent?

How can the internet hack the writers bank account, is one thing I would like to know for sure, but in the mean time we dont have to be a genius to know that we cannot keep the technologies and litterature appart. Digitalization is the way, or is it just one of the ways? Young creators like me will be destined to lead the path in the transition to digital litterature media or confined to write manuscripts that are nothing but cheese lists in the footprint notes of history, only to be discovered centuries into the future, when civilization has passed it's apex and magnetic wars have destroied all the information we keep storing on this babel tower of internets. Either way, we wont probably be here to see it happen.

No Comments

* Listening to: The Flattrakkers - Werewolf Baby
* Reading: Wikipedia, the free encyclopedia
* Watching: Delta de Venus (1995)
* Playing: Teste dos Famosos | Descobre se es Famoso
* Eating: Lidl Crackers
* Drinking: not drinking today

Best Fight evah?

Best show evah?

Howl Back

porque Howl é o nome de um biopic a estrear nos EUA sobre Allen Ginsberg (James Franco), aqui fica uma nota de rodapé no poema que definiu uma geração:


Howl Back - O Meu Uivo



Eu vi as mentes mais incapazes da minha geração, rebolando nas dunas da despreocupação, enquanto o sol durasse, aqueles de nós que se interessassem, esses podiam ver,

Vi aqueles que chafurdaram na poesia icónica do discurso alterado, drogas, amor, rodas, pastilhas e filmes feitos ao luar,

Aqueles que enganaram famílias e namoradas e dormiram todo o domingo (de tarde) em parques e jardins relvados,

Aqueles que se entorpeceram em álcool e ganza e se deliciaram em todas as noites do Festival de Paredes de Coura, vagueando religiosamente na noite obscura,

Aqueles que subiram ao palco demasiadamente ébrios para ter medo da primeira vez,

Aqueles que derramaram sémen nos cobertores de camas emprestadas e saíram de lá à pressa, contando os dias para a próxima festa, ou festival, ou qualquer coisa,

Aqueles que passaram ao lado de uma carreira, e perderam todas as camionetas e chegaram atrasados a todas as aulas,

Aqueles que eram os futuros campeões olímpicos, ou apenas nacionais, de natação ou xadrez ou futebol ou jogos de computador,

Aqueles que de tanto viver em contradição com os seus pais se tornaram uma réplica jovem deles e das suas manias & personalidades-tipo,

Aqueles que acharam que mais uma noite sem dormir, uma semana sem parar (roda no ar), um ano sem estudar ou trabalhar, incapazes de tomar partido nas eleições, ou desnecessário ganhar para viver,

Aqueles que roubaram e viram roubar e olharam para a frente, numa indiferença bruta e moderna, só nós, mesmo, gerações do século XXI podemos ser hedonistas sem moral,

Aqueles que subornaram os seus sentimentos e fizeram do seu sofrimento uma campainha que mais tarde ou mais cedo vai parar,

Aqueles que desistiram dos seus (e meus) sonhos. A televisão é enorme, demais; não precisamos de imaginar, já está tudo imaginado!

Aqueles que aprenderam a ler e escrever mas deixaram isso para os outros. Os que precisam, os que vivem nas bibliotecas, ridículos, idiotas, como as chavalas que se riem de nós quando lêem o nosso último poema,

Aqueles que tiveram melhores amigos e agora não têm, porque as universidades os roubaram, as namoradas os roubaram, a morte nas estradas e o suicídio os roubou…

Aqueles que estão hoje a arrumar carros, dentes desarrumados, e as avós deles a pensar que Deus escreve torto e ponto final.

Aqueles que têm 40 anos e revivem o seu passado todos os dias fumando haxe com os garotinhos saídos do 12º ano directos para uma fábrica de pneus, e as mulheres em casa a cuidar de uma filha angustiada pelas coleguinhas cruéis de mães convencidas,

Aqueles que deram aulas aos vinte anos e tudo lhes aconteceu e deitaram as culpas ao destino (que inclui mortes/depressões & amores perdidos),

Aqueles que pensaram ter também amado, porém não amaram, apenas lhes foi dito que um dia o amor apareceria e eles pensaram que era aquilo,

Aqueles que lutaram com todas as suas forças para sair da adolescência e para se tornarem homens e, chegando lá, não tiveram motivos para sorrir,

Aqueles que passaram de ano sem saber o que era o futuro, ou viviam dia-a-dia (carpe diem), ou sabiam que não queriam ter mais 10 anos, apenas ter 18 para sempre,

Aqueles que idolatraram Buda & Krishna, perseguiram OVNIS e supuseram ser uma bruxa a velhinha de quem se contam histórias,

Aqueles que chegam sempre atrasados e inventam desculpas e vão perdendo amizades. E vão ganhando outras, e de novo chegam a tempo,

Aqueles que encontraram um motivo para viver numa prancha de surf, numa ideologia, numa mulher,

Aqueles que não encontraram,

Aqueles que perderam a virgindade com mulheres feitas, e os que desfloraram 500 miúdas de 13 anos e lhes deram os primeiros orgasmos.

Mas, oh!, isso foi quando a vida era ingenuamente feliz. Não agora, que sentimos o latejar das carnes quando cães ladram e guincham e se agridem por uma cadela no cio,

Que desesperamos, com um nó na garganta, incertos e inseguros dos compromissos que tomamos irreflectidamente, (se reflectíssemos não os tomaríamos),

Que desenvolvemos traumas por cenas mal resolvidas, tanto que nos consideramos, mais tarde ou mais cedo, um ser humano mal resolvido, estejamos felizes ou não,

E passamos noites em claro, sonhando com os braços abertos dos nossos amantes, ou apenas amadas. Sem mais para sonhar: estar apenas envolvidos em abraços quentes,

E de dia, friccionando as nossas calças de ganga contra tudo o que se atravesse à frente, ficamos de pau feito e só nos apetece foder e as gajas que passam, boas e mal tapadas,

E parecemos perder o fôlego quando as vemos. Perdemos a capacidade de falar quando as conhecemos. Perdemo-nos quando as conquistamos.

Todos caímos nas garras de uma outra pessoa. Ambiguamente no inicio, depois desoladamente! E eu caí, nós caímos…

Tanto que cometemos crimes em nome da paixão. Esperámos ficar impunes? Pagaremos pelos nossos excessos?

Tanto que ficamos cegos e nem uma luz de farol apontando na nossa direcção nos faz mudar a rota, e as rochas não se movem nunca,

Tanto que vamos ao inferno por causa de um beijo, de uma declaração de posse, ou compromisso, chamem-lhe o que quiserem,

E quando troveja ela refugia-se na segurança da tua companhia e tu sentes-te subitamente útil,

Qual cão uivando à procura da nossa fêmea na noite, e outros uivando de volta, talvez não seja por isso,

Então já não sei por que é que uivo, e pergunto-me por que é que os cães uivam e algo me diz — Porque sim!

Uivo por uivar, todos uivam.

Allen, responde-me, por que é que neste ano de 2006 se uiva, se já não há essa beatitude desinteressada, essa batida nova, esse abatimento esperançoso?

O meu Portugal não é o teu Arkansas, ou a tua Denver o meu Porto, nem em Newark se vêm estes portugueses que me fartam (ou talvez sim!)

Já não há inadaptados como havia e desordeiros como se viam, dantes…

As auto-estradas A3, A4 e Amuitos não são a Route 66 e agora vai-se ali e vem-se em 3 horas.

Já não há indigentes. Só drogados. Mas o que eram os teus indigentes? Mudam-se os tempos, mudam-se os nomes.

E de novo oiço os uivos à distância de dois quarteirões e a melancolia instala-se. Será por isso que uivo de volta?

Inception

Desde Memento que o nome de Christopher Nolan se tornou um household name para quem gosta de bom cinema. Se em 2008, The Dark Knight foi a confirmação brutal de um talentoso argumentista e realizador, agora, 10 anos depois de Memento, Inception demonstra ser a tão aguardada e original obra-prima de Nolan.

Um filme revolucionário e grandioso como foi The Matrix na sua era, Inception conta com um elenco de luxo - DiCaprio no seu registo habitual, Joseph Gordon-Levitt roubando cena atrás de cena, Ellen Page surpreendentemente adulta, Michael Caine cheio de classe, Marion Cotillard bela e fatal - e, acima de tudo, com um argumento que nos impede de desviar os olhos do ecrã e um final épico que tanto nos tira o fôlego como nos deixa em suspense em seguida. Nas semanas seguintes após a visualização de Inception, o final continua a girar dentro de nós como um puzzle por resolver, e por mais discussões que tenhamos sobre isso, não chegamos a lado nenhum, só nos enterramos ainda mais em teorias rebuscadas.

Um filme a não esquecer, portanto. nº1 de 2010 até agora.

Mel Gibson IRL



Isto é um filme ou é a vida real dele? fiquei confuso quando vi o cartaz... Eu sei que ele não é polícia na vida real e isso, mas o título e a catch-phrase fizeram-me pensar

FIFA Word Cup 2010 - África do Sul (c/ vídeos inéditos no final)




Ainda não acabou o Mundial, neste momento só sei que a Holanda é a primeira finalista, para desespero do Uruguai, que lutou bravamente até ao último minuto. E para meu desespero também, que saltei de alegria minutos antes do final, quando Maxi Pereira meteu aquela lá dentro com o pé esquerdo, já na compensação! Só não bufei uma vuvuzela porque não sou fã do artefacto (o Zidane parece que também não gosta)...

O Uruguai era a minha preferida, ainda que longe dos favoritos à conquista da Copa no início da competição. Mas devagarinho foram chegando até ao final-four, sem grandes resultados, mas com grandes momentos, grandes golos e grandes jogadores. Fantásticos os golos de Forlán, as defesas de Muslera, os golos e defesas de Suárez, o rapidíssimo Edison Cavani, a par de Alexis Sánchez, do Chile, um dos melhores flanqueadores sul-americanos.

As equipas sul-americanas foram as que prometeram mais na primeira fase. Brasil, Argentina, Chile, Paraguai, Uruguai, todas elas passaram com mérito para os oitavos de final, mas no final vamos ter um vencedor europeu. Isto porque a Holanda tem os melhores jogadores do ano: Robben e Sneijder; e a Alemanha tem os melhores jogadores jovens: Muller e Ozil; e a Espanha tem meia equipa do Barcelona, incluindo Villa, que ofuscou totalmente El Niño Torres. Previsão para a final? Holanda-Alemanha, repetindo o mundial de 74, só que desta vez ganham os laranjas. Espanha? Quero que perca por muitos, tanto contra os teutões como contra os uruguaios! Não é que queira vingança por causa da eliminação de Portugal (nunca esperei grandes feitos da selecção de Queirós), apenas odeio La Roja por jogarem tão bem que mete nojo. E porque gosto de Underdogs. Que neste momento são todos menos a favoritíssima Espanha...

Aliás se não fosse Villa estar em tão boa forma, Espanha não tinha passado a primeira fase. El Guaje foi claramente o jogador icónico desta selecção, aconteça o que acontecer, um pouco à semelhança do que foi Roberto Baggio em 94, levando a Azzura às costas até à final. Como Forlán foi a figura deste Uruguai. E Chicharito Hernández do México. E Donovan dos EUA. E Enyema da Nigéria, apesar das fífias. E A. Gyan do Ghana, apesar do penalty falhado no ultimo minuto. E Honda do Japão. E Anelka da França, por pôr Domenech em sentido e na rua!

As equipas europeias, tirando as três semifinalistas, foram mesmo a maior desilusão da prova. A França parece ter sido amaldiçoada pelos druídas celtas da Irlanda, e a Itália conseguiu, ainda assim, mais um ponto que os gauleses, mas caiu na primeira fase, ficando atrás da Nova Zelândia! Que saiu do torneio sem perder! A Inglaterra enganou toda a gente ao passar a fase de grupos, pois via-se que eles não iam a lado nenhum depois daquele frango de Green (no estádio ficou a sensação que houve uma força que tirou a bola das mãos do guarda redes inglês), e foi embora mais cedo quando apanhou os inimigos de estimação germânicos. Sérvia, Grécia, Eslováquia, Eslovénia, Portugal, Dinamarca e Suíça não eram favoritos para coisa nenhuma, e até a Rússia, não indo ao Mundial, tinha mais favoritismo para levar a taça para casa!

De África só se viu o Ghana. A Nigéria pareceu muito inexperiente. Os Camarões uma piada autêntica: Eto'o acha que a equipa é ele e mais dez, tendo ponderado mesmo, antes da competição começar, rejeitar a convocação, alegando que estava cansado depois de uma extenuante final da Liga dos Campeões. Na Costa do Marfim o melhor jogador teve de entrar em campo com um braço partido. A Argélia não marcou um golo para amostra. A equipa anfitriã até que se despediu em beleza ao humilhar a França, mas não ultrapassando ainda assim a primeira fase.

Por fim, da Ásia esperava-se mais. Não estou a falar da Coreia do Norte, que até teve uma participação bastante digna, mas sim da Austrália, da Coreia do Sul e do Japão. Os Socceroos, asiáticos "emprestados", pareciam já ter a experiência acumulada necessária para passar da primeira fase, mas baquearam, muito por culpa da goleada sofrida frente aos alemães. A Coreia de Ji Sung Park caiu aos pés do Uruguai, se assim não fosse, talvez pudessem repetir uma meia-final, depois do brilharete caseiro de 2002. Mas a maior decepção vem do Japão, que tem vindo a investir muito no futebol ao longo dos anos, usando técnicas de treino avant-garde, como as seguintes:

TREINAR DE BINÓCULOS PARA MELHORAR A PERCEPÇÃO ESPACIAL DO TERRENO DE JOGO



TREINAR CONTRA 100 ADVERSÁRIOS PARA CONSEGUIR JOGAR EM ESPAÇOS REDUZIDOS



REMATAR A BOLA CONTRA UMA ÁRVORE ATÉ QUE ESTA CAIA, PARA GANHAR POTÊNCIA DE REMATE

Next Big Thing: Emma Stone ou 27 Comédias a não perder (2007-2010)

























Finalmente vi o Zombieland e digo-vos, fiquei totalmente pseudo-apaixonado pela Emma Stone. Sabia que aquela cara não me era desconhecida. Fui procurar no IMDB e aí é que me apercebi que ela era a Jules do Superbad! O quão versátil é como actriz! Sobretudo se olharmos para a personagem que interpreta em The House Bunny, no qual quase é ofuscada pela Anna Faris. Mas ainda estou para ver esta comédia sobre uma playmate que aterra numa sorority de nerds (sendo a Emma Stone uma delas). Até agora só dei uma vista de olhos oblíqua, para ver que tipo de filme era, mas não me chamou a atenção toda naquele dia. Agora, sabendo da presença desta ruiva falsa, acho que está no topo das minhas prioridades. O The House Bunny e o Ghosts of Girlfriends Past, o qual já tinha há algum tempo e não tinha sequer dado uma olhada, apesar de ter uma das actrizes-fetiche do momento: Jennifer Garner! Wow, must see! Aproveito e vou já sacar o The Rocker e o Paper Man, que parecem ser outras comédias muito entertaining, não só pela presença da Emma Stone, mas também!









Entretanto, o Zombieland é, para mim, uma das melhores comédias dos últimos tempos a sair de Hollywood, apesar de aparecer adjectivado como um filme de terror, horror, zombies, u name it... Laugh Out Loud for me!

O senhor Woody Harrelson está em forma. Já o tinha comprovado na dramédia Defendor, onde desempenhava um super-hero-wannabe-retard, ajudado pela voluptuosa Kat Dennings. O que me leva a ter de referir o melhor filme de 2010 até agora, Kick-Ass, por causa de um outro super-hero-wannabe, mas onde a verdadeira estrela é uma míuda de 12 anos, para além do bónus que é ver Nicolas Cage fazer a primeira cena de jeito desde 2002 (Adaptation - Inadaptado).

Tudo isto me leva a fazer uma pequena lista das melhores comédias que tenho visto nos últimos tempos. Se estes não te arrancarem gargalhadas, então é melhor pedires um cérebro novo, que esse já perdeu toda a inteligência que tinha:



500 Days of Summer (2009) - Não é uma comédia? Todo o drama humano tem piada, se for contado da maneira certa! E a Zooey Deschanel põe-me sempre sorridente!



A Serious Man (2009) - Também não é comédia? Acreditem que tudo o que sai da mente dos irmão Coen só pode ser uma sátira sobre a vida neste planeta, seja na idade média, seja nos anos 60.



Ano Um - Year One (2009) - uma daquelas comédias old school, em que não é tanto o enredo que conta, mas mais as piadas fantásticas, basicamente todas apontadas à religião organizada. E um elenco talentoso: Olivia Wilde - a Thirteen de House a deslumbrar - Jack Black e Michael Cera a desbundar, e David Cross (Arrested Development), Hank Azaria, Paul Rudd, Christopher Mintz-Plasse (McLovin!), Vinnie Jones, Bill Hader (Napoleon Dynamite!), Paul Scheer (30rock), entre outros cameos de luxo)



Cop Out (2010) - Kevin Smith (Silent Bob!) dirige Bruce Willis e Tracy Morgan, numa sátira aos filmes policiais de parelha cómica dos anos 80 e 90 (48 Horas, Bad Boys, Arma Mortífera, etc).



Death at a Funeral - mais o original de humer negro britânico (2007) de Frank Oz (The Score - Sem Saída) do que a versão negra (as in black people) hollywoodesca (2010) com um cast de fazer inveja: Chris Rock, Martin Lawrence, Tracy Morgan, Zoe Saldana, Luke Wilson, Danny Glover e o anão repetente Peter Dinklage).





Defendor (2009) - Woody Harrelson é o anti(super)herói e Kat Dennings (Virgem aos 40) a heroína viciada em metanfetaminas. Os dois salvam o dia, compondo uma dupla improvável. Tanto para rir como para chorar...



Forgetting Sarah Marshall (2008) - Jason Segel, Russel Brand, Bill Hader, Jonah Hill, Paul Rudd! dão o mote a esta comédia romântica hilariante, mas quem nos prende a atenção é a exótica Mila Kunis (That 70's Show).



Funny People (2009) - Judd Apatow realiza, Adam Sandler protagoniza, Seth Rogen secundariza, Jonah Hill faz uma perninha. Às vezes, a vida real das pessoas que nos fazem rir não tem piada nenhuma, especialmente quando há perspectivas de uma morte anunciada.



I Love You Man (2009) - Paul Rudd é um hubbie que devota toda a sua vida a uma mulher. Quando a pede em casamento, repara que não tem nenhum amigo que possa ser o seu padrinho na cerimónia. É aí que entra Jason Segel e as coisas começam a descambar. Jaime Pressly (My Name is Earl) é a melhor amiga da noiva, e é tão tão tão boa que eu nem me lembro da própria noiva...



Kick-Ass (2010) - Spider Man meets Superbad, em mais um filme de anti(super)heróis. Já falei dele acima, mas não me canso de dizer que é a melhor coisa que vi este ano, muito por culpa de uma miúda chamada Chloe Moretz (500 Days of Summer). O filme consegue ter acção brutal, ao jeito de Sin City, e deitar-nos ao chão com inesperadas de humor e suspense acima dos limites recomendáveis para os mais ansiosos. Nicolas Cage é um Big Daddy com manias de Batman e Chistopher Mintz-Plasse (McLovin!) é um case-study para o vilão do século XXI: nerd, milionário e com sede de vingança. Aguardamos a sequela para daqui a dois anos!!!



Knocked-Up (2007) - Foi com prazer que vi Judd Apatow trazer ao grande ecrã Katherine Heigl (nos radares desde Roswell - era a Isabel - até fazer de Isobel "Izzie" Stevens em Anatomia de Grey). O parasita Seth Rogen tem a noite de sexo da sua vida com ela (um one-night stand embriagado, claro), e passados uns meses recebe a notícia de que vai ser pai... Paul Rudd, Jason Segel e Jonah Hill adicionam qualidade ao cast.



My Best Friend's Girlfriend (2008) - Quem já viu um stand-up de Dane Cook sabe daquilo que o homem é capaz: leva-nos à fronteira entre o hilariante e o abjecto, sendo que no caso dele é algo de muito bom! Este filme, em particular, é sobre uma espécie de Hitch, mas com métodos muito heterodoxos , ou seja, alguém que contratamos para causar uma impressão tão má na nossa ex-namorada, que ela vai acabar por querer voltar para nós ! Dane Cook is the man for the job, excepto quando tem de fazer o serviço à namorada do melhor amigo (Jason Biggs) e se apaixona por ela... Mas qualquer um se apaixonaria, digo eu, quando se trata de uma loira chamada Kate Hudson. Alec Baldwin secundariza como pai de Dane Cook e mestre das judiarias misóginas.



Observe and Report (2009) - Seth Rogen, Ray Liotta, Anna Faris
&
Paul Blart Mall Cop (2009) - Kevin James (The King of Queens!)
são dois filmes que, por terem saído quase em simultâneo e abordarem o mesmo conceito (um cop-wannabe inapto que acaba numa ingrata posição de segurança de shopping), são quase filmes gémeos! Enquanto que no primeiro, Seth Rogen não entrou para a "força" por ser bipolar, no segundo, Kevin James sofre de hipo-glicemia, ou seja, desmaia a qualquer momento. Desde que um tome os medicamentos e o outro a sua dose de açúcares a horas certas, temos dois competentes "polícias de shopping", mas eles querem mais, muito mais, e vão fazer de tudo para provar que merecem em distintivo a sério! Mas às vezes mais valia estarem quietos... Veredicto: Empate hilariante!





Pineapple Express (2009) - James Franco e Seth Rogen reencontram-se dez anos depois de Freaks and Geeks para uma aventura deliciosa em torno de uma variedade muito especial de cannabis. Dois anti-heróis e uma amizade que se torna mais forte do que qualquer badass drug-dealer.



Superbad (2007) - Este filme já é o clássico dos teen-movies do século XX! Michael Cera e Jonah Hill, consagram-se como novos estereótipos de uma juventude americana mais normal, pelo menos em hollywood, em que os nerds não são assim tão nerds, até conseguem a miúda (e que miúda, Emma Stone!), e têm noitadas inesquecíveis no banco de trás de um carro-patrulha (a revelação McLovin! Christopher Mintz-Plasse). Tudo com a conivência de dois polícias não seguem todas as regras do livro: Bill Hader e Seth Rogen.



The Invention Of Lying (2009) - Ricky Gervais (The Office, o original!, e Extras) apresenta-nos um universo paralelo onde a mentira não existe! As pessoas pura e simplesmente dizem todas a verdade umas às outras! Claro que Gervais descobre um dia que consegue dizer coisas que não são a verdade e usa isso a seu favor, nomeadamente para ficar rico e para sacar a bela Jennifer Garner!



What Just Happened (2008) - Com um elenco da A-List: Robert De Niro, Sean Penn e Bruce Willis, mais a sempre-enigmática Katherine Keener e o competentíssimo John Turturro, este filme vai às profundezas da condição humana, se é que um produtor de hollywood tem alguma réstia de humanidade dentro de si. O produtor em questão, magnífica actuação de De Niro, vive num emaranhado de problemas e conflitos que, em último caso, proporcionam momentos tão dramaticamente ridículos que uma gargalhada parece fora de tom. Mas nunca deve ser. Hollywood a gozar consigo própria até tem piada, ainda que um manto de seriedade caia sobre a narrativa como uma espécie de auto-desculpabilização da indústria. No fim, os números é que mandam.



Whatever Works (2009) - O mais recente de Woody Allen vale a pena porque... Bem, qualquer coisa vinda da mente genial de Allen Konigsberg vale a pena, mesmo que ele tenha casado com a filha adoptiva, mas neste temos Larry David! E mais um enredo shakespeariano, repleto de personagens que evoluem de forma surpreendente.



Yes Man (2008) - O regresso de Jim Carey às comédias com piada. Isso ea apaixonante Zooey Deschanel a cantar e tocar keytar como a pro que realmente é! A premissa de um personagem que tem de agir sempre de determinada forma, neste caso dizer sempre sim a tudo o que lhe pedem para fazer, parecia já muito batida no currículo de Jim Carey (remember Liar Liar?), mas esta produção tem aquela frescura necessária para se tornar um filme muito simpático.



Youth In Revolt (2009) - Boy meets Girl movie. O Boy é Michael Cera e, para conseguir a Girl, desenvolve uma dupla personalidade, fora do seu controlo, que tem a coragem de fazer tudo aquilo que ele sempre quis fazer, e por vezes até coisas que nunca queria ou deveria fazer! Confuso? Não depois de vermos o anti-herói a transformar-se num Classy Guy que torna tudo muito simples. Steve Buscemi, Ray Liotta e Zach Galifianakis (The Hangover) adicionam aquele toque de qualidade ao elenco.



Zack and Miri Make a Porno (2008) - Não nos cansamos de Seth Rogen. Porquê? Talvez porque ele tem aquilo que um bom comediante deve ter: é gordo, tem barba e é frequentemente um grande badalhoco. Ou seja, tudo aquilo nós somos a partir de certa altura em que o que pensam de nós não tem assim tanta importância. Os meninos bonitos nunca dão bons comediantes porque geralmente não conseguem rir de si mesmos, nem nós deles, já agora. Para isso convém uma aparência com a qual nos identifiquemos e pela qual não nos sintamos ameaçados. Os bonitões como o George Clooney podem matar quantas cabras quiserem só com o olhar que nunca farão comédia decente, porque parece que estão a fazer um frete e não têm a espontaneidade de quem passa a vida a ser gozado e tem de ser o primeiro a gozar consigo próprio para sobreviver. Posto isto, ver o Seth Rogen a tornar-se uma estrela porno e a ter as mulheres que quer é uma vitória ÉPICA!



Zombieland (2009) - se conseguiram ler até aqui, parabéns! Podem voltar ao início do post para mais info sobre este filme. Mas recordem bem este nome: Emma Stone!

Sequeirô e Covilhã


Apurados os resultados finais da sondagem sobre Sequeirô, noto que aconteceu um empate entre aqueles que não sabem o que é isso e os que sabem que aquilo é muito confuso. Confuso? Também eu fiquei, mas ainda espero por uma reunião com um senhor da Arriva que, com certeza me vai explicar tudo isso direitinho.

Entretanto voltei da Covilhã, onde me diverti bastante (mesmo quando estava bêbedo), e encontrei a tal Mariana que [Alexia] me tinhas falado (parece que ela é surda aos domingos, porque gritei, gritei, gritei, e ela só me ligou quando corri atrás dela com o meu focinho escancarado, e me reconheceu passados três segundos da mais absoluta confusão mental, tipo, "donde é que eu conheço este gajo"), mas ela não quis vir para cima (também não quis insistir muito porque não tinha lugar para ela na carrinha). A feira medievalesca foi assombrada pela chuva mas melhores dias virão, e quem sabe o verão.

O Benfica é campeão.

Lembrei-me agora de uma experiência que fizeram a umas rãs, a propósito da surdez funcional selectiva da Mariana. vamos a votos.

Clitrofa

Envio de mensagens







quem vem do porto pela autoestrada e sai para a trofa/sts, depara-se com um outdoor publicitário deveras perturbante (no bom sentido) pelo conteúdo sexual subliminado. A arte gráfica não é de todo sublime, mas nem eu me lembraria de tão rebuscada conjugação de palavras e imagem. Em primeiro lugar, o próprio nome do anunciante, que é supostamente um truncamento das palavras clínica e trofa, mas resulta num neologismo que só me faz lembrar o órgão de prazer feminino, prazer esse elevado a uma categoria extâtica pela foto da jovem loira sorrindo e revirando os olhos, com uma flor junto à pele delicada da sua cara. escusado será dizer que uma flor, mais particularmente uma rosa vermelha, é, em qualquer parte do mundo, metáfora visual para aquilo que as mulheres têm no meio das pernas, e não estou a falar dos joelhos (é, estou a abusar dos eufemismos para não ter de usar palavra começada por C e acabada em A que tem as letras O e N no meio, apesar de este blog estar agora protegido contra olhos mais precoces por um forte sistema de segurança que consiste em ter de carregar num botão que diz permitir, como em "permitir ver material só para adultos", ou seja coisas porcas como reposições de episódios do McGyver e fotos da tua namorada nua - tens? não tens? queres comprar?)


Mas voltando à vaca fria, e não me refiro à bela donzela de sorriso níveo de 38 dentes que o reclamo ostenta, outras palavras me deixaram a soltar gargalhadas perversas de poucos decibéis, como o Peter Griffin quando prega uma partida ao Brian, ou melhor, como o Fike ao sábado à noite na roulotte do sr domingos quando alguém diz uma piada. as palavras são o lema da empresa "construímos sorrisos", e que maneira melhor de construir sorrisos senão debaixo para cima (consigo quase imaginar a continuação da foto da moça, com o seu corpo nu e uma cabeça de um adolescente, tipo naquele filme Ken Park, a lambuzar-se em tulicreme que ela lá pôs para o ludibriar), e por fim a descontextualização total da palavra "oral", que me chega para fazer um filme e pêras sobre o que se passa nesse consultório de dentista, com as suas assistentes marotas de bata branca sem nada por baixo, mas aquelas batas pequeninas, que lhes dão pelas coxas carnudas e são tão apertadas que mal cons
eguem abotoar a zona dos seios... hmmmnnnnnnaaaahhh *Homer Simpson babando-se ao enquanto diz donuts*


Bem, antes que me transvie totalmente do assunto (ou pelo contrário!), devo concluir que tudo neste mundo de criações dúbias, que é a comunicação em massa, pode ser encarado como um teste de roscharch cujas respostas estão sempre certas, e finalizo com a verdadeira questão aqui, que são as mensagens subliminares da publicidade, e aquilo em que ela nos põe a pensar. Pelo menos conseguiram que eu escrevesse um artigo-"poste"-log-mensagem sobre o cartaz publicitário, o que é dizer que cumpriram o objectivo principal de ganhar visibilidade. Eu acho que nunca mais me esqueço do nome da Clitótrofa...

post scriptum: o logo parece-se totalmente com um G... para bom entendedor, meia palav...

50 autores influentes do século XX - versão subjectiva da revista LER

Claro que muitos deles estão nas minhas preferências, e é claro que há muitos que me tocaram profundamente e estão ausentes da lista, mas não posso deixar escapar a oportunidade de, partindo dos 50 autores mencionados, enumerar os livros que li deles, pelo menos os que me marcaram de forma positiva e permanente, de tal forma que ainda hoje me recordo perfeitamente das sensações que me proporcionaram. é por isso que lemos, não é? para termos sensações?

ok, não especialmente ordenados, nem classificados, estes são alguns dos livros que recomendo da lista bem construída (com pequeno texto sobre vida e obra dos escritores - vale a pena dar uma olhada, pode ser que nos desperte uma súbita curiosidade sobre algum nome até então vagamente familiar) que encontrei aqui.

Ernest Hemingway - o velho e o mar

Gabriel Garcia Marquez - ninguém escreve ao coronel

Carl Sagan - contacto

Fernando Pessoa - ... o que dizer, tudo o que ele escreveu?

Franz Kafka - a metamorfose - o processo - américa - o castelo - carta ao pai

Herman Hesse - siddartha

William Faulkner - o som e a fúria - luz em agosto

Jorge Luís Borges - ficções

Jean Paul Sartre - náusea

Vladimir Nabokov - lolita

F. Scott Fitzgerald - o grande gatsby

Umberto Eco - o nome da rosa

J. D. Salinger - à espera no centeio

****************************************************

Esta lista de livros parece-me tão incompleta, mas a sua brevidade agrada-me. talvez em futuros "postes" me apeteça fazer a Minha lista dos autores que mais me influenciaram. em honra de pessoas geniais como Paul Auster, Ian McEwan ou Flannery O'Connor. especialmente Flannery O'Connor que os outros dois ainda estão bem vivos ao ponto de me poderem desiludir no futuro (embora o passado já lhes tenha assegurado um lugar na minha lista de influências mais indesmentíveis).

so it goes, como diz outro incompreensivelmente excluído (Kurt Vonnegut Jr.)

O porteiro da discoteca Gare

- Bem, então a seguir ao jantar saímos de casa e passamos no 77, mas como aquilo tava cheio, decidimos ir logo para o Gare, até porque já eram quase 2 da manhã. Mas ao entrarmos, o porteiro bloqueou-me! não me deixou entrar! e eu pergunto-lhe porquê? e ele responde que não me pode deixar entrar com uma camisola do Benfica, e eu "a sério?", e ele "huhu", e eu "que é que isso quer dizer?" e ele ignorou-me e mandou umas gajas que estavam atrás de mim entrar. Eu olhei para o pessoal e disse, vamos bazar daqui, e toda a gente concordou. Só que eu virei-me para o porteiro, antes de ir, e disse-lhe "boa sorte para a operação". ele ficou confuso e continuou calado. finalmente o César perguntou-me "como sabes que ele vai ser operado?", e eu, muito alto, para toda a gente num raio de 40 km ouvir, respondi: "Então não sabes? Este sujeito vai receber o primeiro transplante cerebral da história da medicina. Veio nos jornais todos, grande avanço tecnológico, só que a cena é que eles só têm feito experiências em galinhas, e então vão meter-lhe na cabeça um cérebro de galinha, o que no caso dele é um upgrade impressionante, e ele vai continuar a poder cumprir as suas funções básicas, como grunhir quando alguém lhe pergunta alguma coisa e saltar feito louco para cima das pitas na idade de serem galadas, mas vai fazer coisas que não conseguia antes, como por exemplo ter uma fixação oral por bicos ou ser o primeiro a acordar lá de casa, e fazê-lo a cantar!

- Disseste mesmo isso ao gajo?

- Hmmm... não. só imaginei a resposta quando cheguei a casa e me pûs a pensar na cena...

- Não deixa de ser lindo. épico até?

- A sério?

- Ok, é uma treta...

Como Cães



― Cara de cu!, acorda, temos de ir.

Abri os olhos e vi quem estava a dizer aquilo: O mesmo cabrão que ontem à noite me abandonou e foi ter com uma gaja qualquer que conhecemos há umas horas atrás. Era só isso que ele significava para mim naquele momento. Yá, ele é meu irmão, tá bem, e temos de nos meter no carro o mais rápido possível para chegar a casa a tempo, mas os irmãos têm aquela cena de ser irmãos, que é mais forte do que ser amigos! E os amigos não discutem por causa de uma gaja, quanto mais os irmãos!

― Ontem fui para a tenda da gaja – diz ele.

― Sim? E depois? – eu não me podia interessar menos.

― Deixei lá a minha camisola… Agora é que estou a ver.

Levantei-me e fui dar uma mija. Os irmãos não deviam discutir por causa de gajas. Tá bem que não chegámos a discutir, mas isso foi porque eu deixei que ele ficasse com ela. Ela também não era muito o meu estilo. Problemas a mais e mamas a menos. Para bem dele, só espero que o sexo tenha sido aceitável.

Eram 5 da tarde quando a engatámos. Sim, porque eu e o meu irmão vamos juntos às gajas. Ela passou por nós e eu mandei a boca. Qualquer coisa tipo “Olá sorriso bonito!”, não me lembro bem, estávamos muito bêbedos. Ela também estava, acho eu, de modos que olhou logo para trás e sorriu.

― Ela riu-se para nós! – disse o meu irmão, levantando a garrafa de cerveja bem alto.

― Claro que se riu, seu idiota, vamos atrás dela, anda daí!

Levantámo-nos e fomos atrás dela. Ela sorria. Estava à nossa espera uns metros à frente. Ou isso ou estava a admirar a paisagem.

Mas dois irmãos não devem discutir por causa de uma gaja. Isso é o que eu penso. A sério que penso. E é o que o meu irmão me diz, e eu também lhe digo a ele. Mas acho que ele só diz isso quando a gaja não se interessa por ele. Mas esta aqui não caía nem para um lado nem para o outro. Tanto se fazia a ele como a mim. Vê-se que estava com o cio, ou lá o que é. Um de nós ia ter coisa. Não digo os dois, porque uma vez tentamos a três com uma gaja e foi tão esquiso ter o meu irmão ali nu a meu lado, a trepar para a mesma gaja que eu… A meio perdi a tusa e vesti-me. Quando o meu irmão acabou veio cá fora ter comigo e disse “Esquisito, não é?”. A cena é que, para ele, pode ser esquisito, mas continua na mesma. Eu já não sou assim.

Na verdade, a tal gaja estava à nossa espera, porque disse “Olá rapazes!” E riu-se. Eu olhei para o meu irmão, ele olhou para mim, e acho que os dois estávamos a pensar o mesmo. Aquela era certa. Começou a paquerar comigo, depois com ele, e de novo comigo. A certa altura engatei numa conversa com ela. Parece que ela é prima de um amigo meu da tropa. Foi uma coincidência mesmo, descobrir. Perguntei-lhe de onde era e ela disse da Madeira. “Porto Santo?” arrisquei, e ela disse que sim: “Como é que adivinhaste?”

― O sotaque é único. Tenho ouvido para essas coisas.

Claro que não tinha nada, disse aquilo porque a única pessoa madeirense que conhecia era o Teixeira da tropa.

― Deves conhecer o Teixeira – perguntei-lhe. Aquilo no Porto Santo deve ser uma aldeia pequena, e todos se conhecem nas aldeias. E nas conversas com gajas que conhecemos mal, temos de perguntar por coisas que elas conheçam ou se interessem. Não podemos logo começar a falar sobre o que gostamos, senão elas cagam para nós. Quem é a gaja que gosta de futebol e carros e gajas? Se houver uma assim, de certeza que não a quero para nada.

Bem, a cena é que ela disse: “Teixeira! Eu sou Teixeira!”

E eu logo, “Olhei para ti e topei que tinhas uma cara parecida com o Teixeira”. O que é mentira. Ela não se parecia nada com o Teixeira. Ele é um gajo alto e moreno, ela é baixa e alourada.

― Como é que se chama esse Teixeira que conheces de Porto Santo? Qual é o primeiro nome dele?

― Nuno – disse eu – acho que é Nuno. Alto, moreno…

― Esse é o meu primo Nuno!! Uau, que coincidência.


E foi a partir daí que começou a falar comigo da vida dela e eu a achar interessante um monte de merdas chatas. O que um gajo tem de fazer.


O meu irmão é que viu o espaço dele a ficar apertado e começou a dizer para irmos para outro sítio, ou para ir comprar cerveja, não me lembro. Bem, eu continuei a levar com a gaja e os problemas dela com a droga e os ex-namorados e cenas assim. Quando nos sentamos na esplanada colei-me a ela e o meu irmão ficou de frente para mim. Ele é um cabrãozito. Não desiste. Enquanto eu não a tiver nas minhas mãos, ele fica sempre à espera que me distraia. É um jogo que ele domina bem.


Quando me levantei para ir pedir mais cerveja, o meu irmão saltou logo para o lado dela e a mão dele começou a trepar por ela acima. Não sei como é que ele consegue estas coisas. Não pode ser por ser mais bonito que eu, afinal somos gémeos! Sentei-me em frente a eles e comecei a ver o filme. Quando ela foi à casa de banho perguntei-lhe:


― Já a tens na mão?


― Achas que sim maninho? Não tenho nem sequer desejo tê-la. Topei que ela está mais interessada em ti, há pouco bateu-te um coro de meia hora!


Olhei-o de lado e comecei a rir-me. Ele riu-se também e veio abraçar-me: “Não podemos deixar que uma gaja se meta no meio de nós”. Eu pensei “já tentámos e não correu bem”.


A gaja chegou e disse que tinha de ir jantar com os pais, mas que lá para as 10 estava livre. Dissemos “yá, tudo bem”, mas ela apenas olhou para o meu irmão quando disse “Aqui às 10?”. Ele não fez mais que abanar com a cabeça e ela piscou-lhe o olho como resposta.


― Acreditas agora que já a tens na mão?


― Não tenho nem quero! – disse ele muito sério.


No fim de jantar só me disse que ia comprar tabaco e que vinha já.


Só o vi na manhã seguinte.

Teste Psicológico #4

Este Teste é revelador...

Uma gaja, durante o funeral de sua mãe, conheceu um rapaz que nunca tinha visto antes.
Achou o tipo tão maravilhoso que acreditou ser o homem de sua vida.
Apaixonou-se por ele e começaram um namoro que durou uma semana.
Sem mais nem menos, o rapaz desapareceu e nunca mais foi visto.
Dias depois, ela matou a própria irmã.

Questão: Qual o motivo da rapariga ter matado sua irmã?

(Não desça até o final sem antes ter pensado numa resposta!!!!!)

*******************************************************

*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*




Resposta:

** Ela esperava que o rapaz pudesse aparecer novamente no funeral da sua irmã.**

Se você acertou a resposta, você pensa como um psicopata.

A maioria dos assassinos presos acertou a resposta. Para um psicopata os fins justificam os meios.


Se você acertou, por favor indique-me, para que eu o possa bloquear no facebook.

Testes Psicológicos

Encontrei estes três testes na net, são pequenas demonstrações de que as nossas mentes conseguem ser extraordinárias...


1º Teste:

Foi descoberto que o nosso cérebro tem um Bug.
Aqui vai um pequeno exercício de cálculo mental!

Este cálculo deve ser feito mentalmente e rapidamente, sem utilizar calculadora, nem papel e caneta, ok?

Seja honesto e faça os cálculos mentalmente.
Tens 1000, acrescenta-lhe 40. Acrescenta mais 1000. Acrescenta mais 30 e
Novamente 1000. Acrescenta 20.
Acrescenta 1000 e ainda 10. Qual é o total?



(resposta abaixo)











Teu resultado é 5000.
A resposta certa e 4100!

Se não acreditar, verifique com a calculadora.
O que acontece e que a sequência decimal confunde o nosso cérebro,
que salta naturalmente para a mais alta decimal (centenas em vez de cezenas).

2º Teste:

Rápido e impressionante.
Conte quantas letras “F” tem no texto abaixo, sem usar o mouse:

FINISHED FILES ARE THE RE-
SULT OF YEARS OF SCIENTIF-
IC STUDY COMBINED WITH
THE EXPERIENCE OF YEARS

Contou?
Somente leia abaixo após ter contado os “F”. Ok?

Quantos? 3? Talvez 4?

Errado!
São 6 (seis).
Não é piada! Volte para cima e leia mais uma vez!

A explicação está mais abaixo.

O cérebro não consegue processar a palavra “OF”.

Este teste resulta melhor nas pessoas que costumam ler muito inglês, são essas que não detectam o F em OF.

3º Teste:

Sou diferente? Faça o teste.
Alguma vez já se perguntaram se somos mesmo diferentes ou se pensamos a
mesma coisa?
Façam este exercício de reflexão e encontrem a resposta!

Siga as instruções e responda as perguntas uma de cada vez ‘mentalmente’ e o mais rápido possível, mas não siga adiante até ter respondido a anterior. E se surpreenda com a resposta!

Agora, responda uma de cada vez:

Quanto é:

15+6=

3+56=

89+2=

12+53=

75+26=

25+52=

63+32=

Sim, os cálculos mentais são difíceis. Mas agora vem o verdadeiro teste.
Seja persistente e siga:

123+5=

RÁPIDO!!!
PENSE EM UMA FERRAMENTA E UMA COR!

……

E siga adiante…

…….

Mais um pouco…

……..

Um pouco mais…

……..

Pensou em um martelo vermelho, não é verdade?

Se não, você é parte de 2% da população que é suficientemente diferente para pensar em outra coisa.
98% da população responde martelo vermelho quando resolve este exercício. (dizem eles)

Eu pensei num martelo vermelho e fiquei mesmo espantado. Aposto que se você não pensou em um martelo, foi numa chave de fenda amarela ou verde! É normal muitas raparigas pensarem em ferramentas Rosa ou Roxas, e os rapazes pensarem em Azuis e Pretas...

Jason Reitman - curtas-metragens

Se gostaram das três aclamadas longas metragens do jovem Jason Reitman (a saber: Thank You for Smoking, Juno e Up in The Air), devem querer saber o que ele andou a fazer antes de tornar cada um dos seus filmes tragi-cómicos em verdadeiros sucessos entre a box-office os críticos, mas acima de tudo em filmes verdadeiramente agradáveis de ver.

Uma série de curtas metragens foi o que ele andou a fazer. As curtas metragens são o equivalente cinematográfico aos contos (short-stories) da literatura, e, portanto, um bom início para tornarmos conhecidas as nossas aptidões no campo designado. Reitman deu-nos a provar um pouco do seu futuro na curta "Consent" de 2002. Impossível não reconhecer um pouco de Woody Allen e o sua crítica de costumes inter-géneros. Antes, em "Gulp" (2000), num registo igulamente humorístico, Reitman mostra-nos as suas habilidosas técnicas cinematográficas, quase uma trade mark pessoal no que toca a conferir dinamismo visual às cenas de toda a sua cinematografia. Temos também "In God We Trust" de 2000, uma cómica narrativa sobre como escapar do purgatório e voltar à terra para fazermos aquelas pequenas coisas que nunca fizemos.

"Consent" versa sobre um rapaz e uma rapariga que acabam a noite no quarto dela após um blind date. Mas antes de avançarem para a primeira base, há um conjunto de regras que devem ser negociadas. . . Não vou ser um spoiler. Vejam e apreciem 6 minutos excepcionais!

Consent

Em "Gulp", a acção gira freneticamente em torno de um peixe de aquário que se vê privado de água salgada pelo dono inconsequente e arrependido:



e por fim eis "In God We Trust", uma alegoria hilariante sobre a vida e a morte:


Smoke That Cigarette

Num tempo em que o tabaco começa a ser quase politicamente incorrecto, congratulo-me que haja pessoas que ainda olham para o acto de fumar como um gesto de rebeldia e auto-afirmação. Afinal, a auto-determinação (ou devo dizer auto-terminação) é o último reduto do cidadão urbano contemporâneo, estrangulado em regras comportamentais sociais que assumem forma de lei! Já nos proíbem de tirarmos a nossa própria vida (e de tiramos a roupa em público também! Há alguma coisa de errado com o corpo nu de uma pessoa?) já nos proíbem de partilhar cultura gratuitamente na internet, proíbem-nos também de consumirmos "drogas" naturais que sempre fizeram parte da dieta psicofarmacológica da espécie humana, o que virá a seguir? Proibição total de fumar tabaco, beber alcóol e de ser um inútil para a sociedade (aka os grandes magnatas que querem escravos que façam as coisas que eles usam para tornar a sua vida aparentemente mais divertida)?

Ao longo da história da civilização sempre houve esta tentativa de domesticar os desalinhados, para servir os interesses da sociedade (o bem-comum). Sendo o ser humano um ser gregário, é natural que aconteçam estes mecanismos de auto-regulamentação inconsciente. Afinal, é preciso dar continuidade ao adn colectivo, perpetuar a espécie, dominar o mundo. Penso que não há dúvidas, no início do século XXI, que isso foi amplamente conseguido, com consequências muito graves para os outros co-habitantes do planeta (i.e. as formas de vida inferiores e negligenciáveis, as quais presumimos serem propriedade do Homem - ver Livro do Génesis), e para o planeta em si. É esta determinação cega em perseguir a expansão e desenvolvimento colectivo (uma falácia facilmente desmontada), que tem vindo a impedir que as pessoas que estão no poder (que expressão tão vã! coitados dos poderosos no dia em que morrerem...) vejam que nos dirigimos para o suicídio colectivo. Somos como lemmings que falham em ver que o caminho para a terra prometida foi adulterado pela conjuntura.

Mas divirjo. Falava das leis interpretativas do mundo que os "iluminados" foram criando ao longo dos tempos para defesa dos valores que (consoante a época) fossem vitais à perpetuação e vitória épica da Humanidade. Algumas são tão lógicas que escapam à nossa observação. Não deviam ser precisas leis que digam que o incesto é uma coisa má, ou que matar pessoas (inocentes ou não) é imoral, ou que violar uma criança inocente é condenável, mas essas leis existem, como que para nos fazer lembrar que somos um ser falível e, acima de tudo, com ideias próprias, com livre-arbítrio, que acha que pode fazer tudo o que quer (porque não haveria de o poder fazer?) - Para isso foi criado Deus, uma espécie de consciência colectiva omnisciente e omnipotente, que administrava castigos eternos aos prevaricadores, mas tudo mudou quando Deus foi declarado morto: tudo está ao nosso alcance, tudo é permitido. Aquilo que só os esclarecidos Napoleões e Raskolnikovs deste mundo acham poder fazer sem serem objecto de julgamentos morais, está hoje disponível para nós, os comuns-mortais. Mas se até eles se arrependeram, what's to become of this boy? (Nota curiosa: eu coleccionava maços de tabaco vazios quando era criança, carreguem aqui e aqui para ver uns designs muito loucos!)

Livres então de constrangimentos morais sobre o acto de inalar uma substância que nos pode matar (não podem todas?), preocupemo-nos acima de tudo com a moralidade de, no processo, empresas multinacionais estarem a lucrar milhões à custa disso, já para não falar no estado que cobra 70 por cento de impostos sobre o preço final, alertando por um lado para os riscos e malefícios do tabaco, e por outro enchendo os depauperados cofres públicos. Mas a culpa é de todos nós: O estado é hipócrita. Nós somos o estado. Logo, nós somos hipócritas.

Não vou fazer juízos de valor sobre se fumar é bom ou mau. Não há verdades absolutas. Por cada sim há um não. Veja-se o caso do álcool: é considerado por muitos conservadores e fanáticos da bíblia um malefício de dimensões extraordinárias, mas são essas pessoas que falham em reconhecer que na própria bíblia, logo no início dos inícios, pouco depois de o Homem ter sido expulso do Paraíso, o vinho foi inventado para aliviar a tortura do trabalho físico (Génesis 5, 29), servindo entretanto para que as duas filhas de Lot embriagassem o pai, de modo a serem emprenhadas por ele, e assim dar continuidade ao clã (Génesis, 19, 32).

Posso é sugerir que vejam os filmes "Thank You For Smoking" de Jason Reitman, "Smoke" de Wayne Wang e Paul Auster e "Coffee and Cigarettes" de Jim Jarmusch.

Especial atenção à música de abertura do hilariante e descomplexado, por vezes politicamente incorrecto, filme de Jason Reitman, "Smoke! Smoke! Smoke that Cigarette", cantada por Tex Williams:







andorinha

hoje ouvi a primeira andorinha do ano. dizem que uma andorinha não faz a primavera, e eu então pergunto, o que faz a primavera? as tulipeiras em flor já estão aí, outras árvores já ostentam flores alvas, mas fixo-me nesta coisa da andorinha... vou ficar atento, eu e o jovem milhafre que ronda por lá, chiando ocasionalmente... talvez esteja à procura de companheira. será isto a primavera a chegar? só ouvi uma andorinha...

"As andorinhas são um grupo de aves passeriformes da família Hirundinidae", diz-nos a wikipédia. o seu nome latino lembra-me qualquer coisa, fui ver a página em francês e deparei-me com as hirondelles:

"Les hirondelles sont des oiseaux migrateurs familiers qui installent leurs nids près des habitations", o que me leva para a minha juventude e os ninhos de andorinhas que costumava ver nos beirais do telhado da minha casa. será que eles ainda estão lá e eu é que deixei de reparar? será que as andorinhas voltam este ano? será que sempre voltaram?

em inglês, andorinha é swallow. havia uma banda na minha infância chamada swallow rage, eram de famalicão e venceram um concurso qualquer a nível nacional muito valorizado nos finais de anos 80, inícios de 90...

também me fazem lembrar Haruki Murakami, as andorinhas, mas não me ocorre de que livro, nem que situação ou passagem...

andorinhas, primavera... associação livre de ideias... talvez esteja a ouvir o tique-taque de um qualquer relógio biológico... fui alertado para isso numa conversa virtual que tive há pouco sobre aquele verso de uma música do Manu Chao, que diz assim:

"Yo ya estoy deseando tener niños, ¿y tú Quique? Oh Yo no"(infinita tristeza, é o nome da música)

frase esta que defini como status, tanto do facebook como do messenger,na semana passada. a conversa foi mais ou menos assim:

ela diz:
que raio quer isso dizer?
lol

Timmy_L aka Bob Loblaw aka Clay Datsusara diz:
oi
o q?

ela diz:
a frase
que tens no msn

Timmy_L aka Bob Loblaw aka Clay Datsusara diz:
...
que frase?
ah é do manu chao
de uma música
lol
é a primavera, está a dar-me vontade de ter filhos

ela diz:
ahhhh
e está?
lol

Timmy_L aka Bob Loblaw aka Clay Datsusara diz:
se calhar...
pode ser inconsciente

ela diz:
ou de praticar?
ahahahahah

Timmy_L aka Bob Loblaw aka Clay Datsusara diz:
lol
deve ser mais isso
juntar o útil ao agradável

ela diz:
é útil ter filhos?
hoje sinto me na idade dos porquês

Timmy_L aka Bob Loblaw aka Clay Datsusara diz:
é útil, claro!
senão, o que estamos aqui a fazer?
o nosso dever enquanto animais é perpetuar a nossa espécie!
o nosso adn individual, e para isso temos de escolher bem o melhor parceiro para nidificar

ela diz:
que conversa mais BBC
lololol

Timmy_L aka Bob Loblaw aka Clay Datsusara diz:
baby
all in all
we are nothing but mamals

ela diz:
mamals

Timmy_L aka Bob Loblaw aka Clay Datsusara diz:
let's do like they do it on discovery channel

(...)

e nem se quer lhe falei nas andorinhas

Annie Hall



Ver os clássicos de Woody Allen, sobretudo esta obra-prima, é sempre um delírio de risos e percepção das verdades fundamentais do universo. A Diane Keaton é provavelmente a melhor Woody Girl de todos os tempos.

stop 4 a minute - David Fonseca



O nosso velho amigo David já percorreu muitos kilómetros desde aquele ano de 98 que explodiu no sudoeste com os silence 4 a fecharem o festival, e eu a ir para a tenda dormir porque já tinha ganho a noite com os soberbos concertos de Portishead e P.J. Harvey, que vi sozinho no meio de uma multidão extasiante porque os gajos com quem tinha ido (pessoal da Trofa?) estavam aterrados desde muito cedo. De referir que nesse festival actuaram The Cure e Sonic Youth também. Os primeiros não me lembro sequer, os últimos, vi-os sentadinho na poeira nocturna da herdade da Casa Branca, anestesiado com certas coisas que fumava na altura. Hipnótico... Curiosamente lembro-me de coisas tão improváveis como os concertos de Fun' Lovin Criminals (Scooby Snacks estava no auge), Ratos de Porão (eu a fugir do meio daquela multidão de headbangers descontrolados) e Three and a Quarter (banda portuguesa que deve ter desaparecido entretanto). Os Silence 4 fecharam surpreendentemente o festival (nem sequer estavam no cartaz), e eu não quis saber da banda da moda, se bem que meses depois ouvisse o Silence Becomes It no meu walkman (sim, k7 gravada!). Entretanto o Herman José fez a piada Silence Becomes Shit e eu vi a banda em Vila do Conde, no festival da juventude, e o nome Silence 4 começou a ser sinónimo de hype de verão.

O senhor David Fonseca, a menina Sofia Lisboa (aaaúuuuuuu... era o que ela fazia melhor, uivar nos refões, para além de abanar o corpinho para deleite do meu amigo Bruno, que ia para os concertos gritar-lhe que casasse com ele), o "virtuoso" Rui Costa (baixista que se vangloriou em entrevistas de ter entrado para a banda e mudado aquilo tudo para que tivesse sucesso) e o baterista de que ninguém sabia o nome, separaram-se anos depois, após um segundo álbum com um nome qualquer sobre a dor. Para memória futura refira-se que só o Sr. Fonseca singrou em projectos futuros, quer no projecto esporádico Humanos, quer com a sua carreira a solo, donde se destacam orelhudas (no bom sentido) canções hit-single The 80's, Superstars, Kiss Me Oh Kiss Me e agora a interessante Stop 4 A Minute.

Agora, os meus 6 graus de separação em relação a este senhor Fonseca advêm do distante ano de 99, quando me relacionei amorosamente com uma dama leiriense que alegava ver o dito cujo ocasionalmente, chegando mesmo a elogiar nele um qualquer sex-appeal que eu falhava em reconhecer. Ultrapassados os ciúmes, eis que chego a 2010 e sou de novo levado a conexões próximas dos 2 graus de separação em relação ao David, através de uma amiga que é amiga a Rita Lino, a protagonista máxima do novo videoclip do single Stop 4 A Minute. Ora, nunca é demais prestar as devidas homenagens à minha pendeja preferida, a Ana "Alexia" Salgado, que, como toda a gente sabe (ou devia saber), foi a responsável pelo design mais-que-feliz do livro que tem o meu nome na lombada. Podem encontrar todas as hiperligações para as pessoas acima descritas (ou para os seus blogs) à sua esquerda, na secção "Outras leituras mais interessantes do que estas", ou então aqui ou aqui

Favourite Things - The Golden Filter



New York, Sydney, Paris, London, New York, Sydney
These are a few of my favourite things
Ice cream, chocolate, coffee, sugar, ice cream, chocolate
These are a few of my favourite things
Candy, lollies, kitties, bunnies, knee highs, stockings
These are a few of my favourite things
Vintage, dresses, vodka, whiskey, kitty, bunny,
Paris, London, sweet girls, cute boys, vodka, whiskey, cameras, pictures
These are a few of my favourite things
These are a few of my favourite things
These are a few of my favourite things
Vintage, dresses, vodka, whiskey, cameras, London
These are a few of my favourite things

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Clay says: a few of MY favourite things as well... except for the cute boys (they can be ugly ahah!)

Song For Clay (Disappear Here) - Bloc Party



I am trying to be heroic
In an age of modernity
I am trying to be heroic
As all around me history sinks
So I enjoy and I devour
Flesh and wine and luxury
But in my heart I am lukewarm
Nothing ever really touches me

At the Trois Garcons, we meet at precisely 9 o clock
I order the foie gras and I eat it with complete disdain
Bubbles rise in champagne flutes, but when we kiss I feel nothing
Feasting on sleeping pills and Marlboro reds
Self-pity won’t save you

Oh how our parents suffered for nothing
Live the dream like the 80's never happened
People are afraid to merge on the freeway
Disappear here

We stroll past the queue, into the magazine launch party
I am handed a pill and I swallow it with complete disdain
Kick drum pounds off beat high hats remember to look bored
We suck each other's faces and make sure we are noticed
The cocaine won't save you

East London is a vampire it sucks the joy right out of me
How we long for corruption in these golden years.

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

Clays says: thanx

Sonhando o que te Contarei mais Tarde




comprar aqui já!

Sonhando o que te Contarei mais Tarde de Hélio Teixeira, é uma deliciosa colectânea de 16 contos, que prometem surpreender o leitor, quer pela sua originalidade, quer mesmo por alguns dos seus finais desconcertantes. Os contos presentes são:

O Anjo Azul; Estocolmo; Ossos do Ofício; Na Cidade; E foi assim que me tornei um prostituto masculino; A Noiva Esquecida; Desmarx; No Sonho; O Telefonema; Da Primavera e do Outono; Sinestesia; A Soberba ; O Canto da Sereia; Tínhamos ambos 19 anos e sonhávamos o futuro como se faltassem eternidades; Pássaro Enjaulado.
Ocorreu um erro neste dispositivo